Instituição

Quem somos
Somos uma entidade mantida pelo Instituto Cultural São Francisco de Assis, entidade de caráter público, sem fins lucrativos, de assistência social dos Freis Franciscanos da Província São Francisco de Assis no Rio Grande do Sul, da Ordem dos Frades Menores.
Entidade esta, que atua em diversas frentes na garantia e promoção da pessoa e de seus direitos fundamentais intangíveis.
O que significa CPCA?
A sigla CPCA significa Centro de Promoção da Criança e do Adolescente.
Nossa história
O CPCA inicia suas atividades em 1979 com a abertura da “Creche dos Freis”. Fundada por Frei Bruno Goettens. No princípio a preocupação era garantir aos trabalhadores provenientes do êxodo rural um espaço onde os pais pudessem deixar seus filhos enquanto trabalhavam. Neste mesmo ano altera sua razão social para “Centro de Promoção do Menor” e estabelece parceria com a Missioszentrale der Franciskaner – MZF.
Em 1986 a instituição firma nova parceria, agora com a Kindernothilfe – KNH. Novos desafios são postos. Se faz necessário, a partir deste momento, trabalhar com métodos, ampliam-se os objetivos, reordena-se os serviços ofertados e altera-se a forma de organização da entidade como um todo.
Observando a linha do tempo, que destaca a evolução da instituição e a evolução do marco legal da Assistência Social, podemos constatar que o CPCA, a cada parceria firmada e a cada nova legislação, não só amplia seus serviços, programas e projetos, mas também mantém uma preocupação constante com sua adequação e qualidade, sempre convicto de sua missão, visando à plenitude da visão da entidade e seguindo fielmente seus princípios e diretrizes no desenvolvimento de suas atividades.
A Carta Magna de 1988 é o marco inicial da Assistência Social no Brasil. A “Constituição Cidadã”, como foi chamada, confere, pela primeira vez, a condição de política pública à assistência, constituindo, no mesmo nível da saúde e da previdência o tripé da Seguridade Social. Esta Constituição, por meio de seu artigo 227, reconhece a criança e o adolescente como sujeitos de direitos em pleno desenvolvimento, estando sob a responsabilidade da família, do poder público e de toda a sociedade.
Conforme expresso na Constituição Federal, têm a família, a sociedade e o Estado o dever de assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, os seus direitos fundamentais, além de colocá-los à salvo de toda a forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade ou opressão.
O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), a Lei Orgânica da Assistência (LOAS), A Declaração e Programa de Ação sobre a Cultura da Paz, a Política Nacional da Assistência (PNAS), o SUAS e o Plano Nacional de Promoção, Proteção e defesa do Direito de Crianças e Adolescente à Convivência Familiar e Comunitária, são legislações que normatizam, complementam e asseguram o que fora garantido na Constituição Federal e, serão alvo de maior atenção no decorrer deste trabalho.
O que nos move?
Valores cristãos ecumênicos;valores que promovem a dignidade humana e; valores que recuperam os direitos ameaçados ou violados das crianças, adolescentes e suas famílias, bem como da comunidade e de toda a pessoa em vulnerabilidade. Tendo como principal ponto de referência e intervenção o diálogo, valorizando a realidade pessoal e respeitando o sagrado que habita em cada sujeito.
Quais são as ações que desenvolvemos?
1. Gestão e Sustentabilidade Institucional;
2. Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos para crianças e adolescentes de 6 a 15 anos; SASE (Serviço de Apoio Sócio Educativo) ;
3. Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos para crianças e adolescentes de 15 a 18 anos: TE (Trabalho Educativo);
4. Fortalecimento de Vínculos: articulação com a família Ações de Suporte ao Programa;
5. Serviço de Fortalecimento de Vínculos Familiares e Comunitários: Programa Família;
6. Proteção à Infância e à Juventude: (Programa Ação Rua);
7. Reparação de Ações Disruptivas: Implantação do Núcleo da Justiça Restaurativa - Projeto Justiça do século 21;
8. Pacificação: Consolidação do Núcleo da Justiça Comunitária;
9. Musicalização e Formação de Orquestra: Projeto “Orquestra Villa Lobos”;
10. Acolhimento Institucional: Casa de Acolhimento;
11. Replicação de Tecnologia: Âncora – Projeto Rede de Parceria Social;
12. Inclusão no Mundo do Trabalho: Programa Aprendizagem Profissional;
13. Telecentro;
14. Protagonismo Juvenil e cursos de adulto: (Cursos, Ações de Inclusão no Mundo do Trabalho);
15. Rede de Qualificação e Suporte Familiar em parceria com a Paróquia Santa Clara;
16. Proteção Social ao Adolescente em Cumprimento de Medidas Socioeducativas;
Nosso modelo de gestão
O Centro de Promoção da Criança do Adolescente possui uma Direção Geral nomeada pelo Instituto Cultural São Francisco de Assis em que, está à frente o Frei Luciano Elias Bruxel - OFM, este, no âmbito da execução do trabalho, se soma a dois outros profissionais que constituem a direção executiva do CPCA.
A direção executiva da instituição é constituída do Diretor Geral: Frei Luciano Elias Bruxel, do Diretor Pedagógico: Everton Silveira e do Diretor Administrativo: Rudimar Junges.
A diretoria conta com áreas de apoio que lhes dão suporte, são elas: Coordenações de programas, projetos e serviços, setor administrativo e secretaria, setor de recursos humanos, escritório de contabilidade, assessoria jurídica, e, apoio e manutenção. As áreas acima mencionadas por sua vez constituem equipes de trabalho que sustentam as frentes de execução do CPCA.

Faça sua doação